Parece absolutamente claro que muitas das moléstias são devidas a formas incorretas de pensar. O pensamento incorreto habitual é impresso na mente subconsciente, que é uma faculdade criativa e que pode passar essas coisas, que visualizamos constantemente, ao nível da manifestação física. A terapia, nestes casos, pode ser pensada basicamente numa mudança de atitude mental.
Devemos lembrar que muito antes do homem começar a desenvolver seu intelecto e sua mente consciente, seu subconsciente existia, formando, como é correto, parte do inconsciente universal comum a todas as coisas que existem enraizadas no obscuro passado das eras e o inconsciente individual é parte do todo.
Na terapia de resguardo, o terapeuta solicita ao paciente que se ligue a ele durante um tempo determinado todos os dias. Deve, então, identificar-se estreitamente com o paciente a nível mental, a fim de que seja capaz de influenciar o inconsciente do mesmo e imprimir-lhe pensamentos de saúde e cura. Ao mesmo tempo, dirige o raio colorido correto.
Solicita-se, também, ao paciente que relaxe e se torne receptivo. Por outro lado, o terapeuta necessita de uma direção positiva para sua energia, posto que deve passar através da mente objetiva consciente de seu paciente e atingir seu lado subjetivo e inconsciente, a fim de tornar o tratamento eficiente. Tanto o paciente quanto o terapeuta são parceiros num projeto conjunto e devem estar sintonizados um no outro.
O terapeuta geralmente possui um objeto que serve de vínculo entre ele e o paciente. Como na terapia de contàto, uma afirmação positiva é feita e, depois que o nome do paciente e seu problema são claramente focalizados pela mente do terapeuta, é que este prossegue o tratamento.
Todavia, o principal é que o terapeuta seja um visualizador natural, capaz de ver a cor e mante-la em sua mente, ao mesmo tempo em que a projeta ou, então, precisa ter treinado sua mente através de concentração até tornar-se capaz disso.
Outro método de terapia de resguardo consiste em meditar sobre pacientes num sentido positivo, isto é, visualizando-o como restaurado em saúde e felicidade. Todo terapeuta sabe bem do poder do pensamento e, assim, sempre lembra a seus pacientes da importância de se eliminar todo o pensamento negativo temeroso. Os pensamentos devem ser otimistas e recomenda-se ao paciente que se visualize em condições felizes e com boa saúde.
Parece muito claro que, tanto o tratamento individualizado, pessoa a pessoa, quanto naquele à distância, o cromoterapeuta compartilha com o prático ortodoxo do modo puramente físico de abordagem da doença.
Similarmente ao perito em radiônica, o cromoterapeuta baseia seu diagnóstico e tratamento na existência real de vários corpos -para o olho físico – invisíveis, particularmente o etérico, emocional e mental. Ambos acreditam que qualquer bloqueio ou superestimulação (a qualquer nível) das energias entrantes e circuladas através dos chacras causam moléstias. Para que a cura seja efetiva, o terapeuta deve ser capaz de diagnosticar corretamente, visualizar claramente e dirigir a cor correta para a cura do paciente, uma vez que a energia segue o pensamento. Isso requer não apenas habilidade e desejo de curar por parte do terapeuta, mas também sua disciplina e treinamento.

Curta