Home / Cromoterapia / Chacras

Assim, todos temos sete corpos sutis ou níveis de consciência, desde o mais grosseiro, o físico, até o mais fino, ou espiritual. Esses sete corpos se interpenetram e se ligam ao físico nos sete centros de potência ou chacras na coluna vertebral. Através desses sete centros e dos raios que atraem, estamos em contato e somos afetados por todos os sete planos de consciência. Cada chacra atrai um raio de cor predominante que é necessário para a harmonia do indivíduo como um todo.
Uma condição de desarmonia implica que há excesso ou falta da vibração de uma determinada cor. Isto pode ocorrer através de algum agente externo, como um acidente ou epidemia, ou interno, através de uma mente que alberga tamanha quantidade de pensamentos negativos que altera as vibrações.
Um garoto inquirido acerca de como descreveria Deus, disse simplesmente: “Penso-O como Luz”. Encarando esta resposta sob o ponto de vista das cores pode-se considerá-la como bastante correta, uma vez que toda vida é energia vibratória em diferentes frequências. Cada vibração tem uma cor correspondente e todo raio colorido emana da fonte central, a Grande Luz Branca ou Logos, conforme nos ensinam os Antigos Ensinamentos. De fato, como em tudo mais na vida, há uma forma exterior captada por nossos sentidos e um sentido interior ou oculto a ser descoberto. Comecemos, assim, a discutir os chacras, através dos quais a energia primordial, na forma de luz branca, penetra no corpo através dos centros de potência. Cada chacra absorve uma corrente especial de energia vital através de seu raio colorido particular originário do meio ambiente físico ou de níveis mais elevados de consciência.
No corpo completamente sadio os fluxos de energia são harmoniosos e absorvidos pelos chacras. O oposto acontece, todavia, quando há um bloqueio de um tipo ou outro num dos corpos.
Se a energia cósmica foi detida no quarto corpo, por exemplo, então deve haver alguma distorção no modo de pensar e esta distorção seria transmitida aos corpos astral e físico-etérico e ser assim sentida como alguma moléstia ou desarmonia no corpo físico. Os corpos mais elevados afetam os inferiores, mas não vice-versa.

Os sete raios primários

Centros que atraem esses raios predominantemente
1. Vermelho O centro mais baixo na base da coluna
2. Laranja Na cintura, parte posterior, no lado esquerdo da coluna (centro esplénico)
3. Amarelo À altura dos rins (centros do plexo solar)
4. Verde Entre as espáduas, em linha com o coração
5. Azul Na base do cérebro (centro da garganta)
6. índigo Na testa, a glândula pineal (centro frontal)
7. Violeta No alto da cabeça (centro da pituitária)
Há sete chacras principais, cada um dos quais sob uma cor em particular. Podem ser vistos, através de clarividência, como grandes vórtices circulares situados no corpo etérico e em permanente movimento — o padrão através do qual se constitui o físico. Esses chacras ou vórtices se ligam com a espinha em intervalos definidos.
A luz é uma força que estimula a crescer; todas as coisas vivas dependem dela para elaborar e manter sua forma. A luz, portanto, cuja principal fonte é a energia solar, é uma das maiores forças curativas. A energia entra no corpo humano através dos chacras sendo então redistribuída para a totalidade do corpo. Os chacras absorvem sua cor característica, conforme indicamos acima, de modo que os dois centros mais baixos, o vermelho e o laranja, captam sua energia da luz do Sol e a dirigem no corpo.
Os chacras vermelho e laranja governam o nível físico e etérico no homem e suprem as energias vitais requeridas por esses corpos, embora devamos mencionar que as atividades dos chacras não é localizada, mas interpenetrativa. O chacra amarelo governa o mental inferior, mas também está relacionado com as influências emocionais. O chacra verde, chamado centro cardíaco, governa o mental superior, mas também influencia as emoções superiores, como a simpatia, ternura, compreensão e compaixão. O chacra azul ou da garganta é o centro dos instintos religioso e espiritual. Os chacras vermelho, azul e amarelo precisam trabalhar harmonicamente para que haja genuína saúde física e mental.
Os cracras violeta e índigo são transcendentais e regulam as altas aspirações da alma. Podem expressar clarividência, intuição espiritual ou taumaturgia.
A cromoterapia pode, então, restabelecer o balanço quando a moléstia foi causada por um bloqueio ou redução na entrada de energia através dos chacras ou em sua circulação.
O diagnóstico é feito por clarividência ou através de instrumentos que tornem a aura visível para aqueles destituídos de visão psíquica. A área descolorida indicadora de moléstia deve ser tratada com raio para desobstruir o circuito. A respiração de cores também pode ser advogada para o restabelecimento ou manutenção da boa saúde. A clarividência mostra que quando a aura está desgastada ou abatida e se pratica a respiração de cores há uma imediata reativação da aura esmaecida através da nova entrada de vitalidade.
Como em cada cor principal há sete elementos intrínsecos em sua composição, também é verdade que um de tais elementos predomina em cada cor, conforme indica a tabela abaixo. Por exemplo, no número um, o elemento físico predomina, este é o centro mais baixo, na base da coluna. No número cinco um elemento específico de cura predomina, e este é o centro da garganta e sua cor é azul
Centro basal Centro esplénico Centro do plexo solar Centro cardíaco Centro da garganta Centro da testa Centro da pituitária
1. um elemento físico
2. um elemento de vitalidade
3. um elemento psicológico
4. um elemento harmonizador
5. um elemento curador específico
6. um elemento de inspiração e intuição
7. um elemento espiritual.